Auto-Hemoterapia

AHT – Minhas Considerações

Resolvi abrir uma área para Auto-Hemoterapia (AHT) no meu site, pois pude pessoalmente usufruir dos seus benefícios, bem como, muitos pacientes também, na sua grande maioria com excelentes resultados, porém havendo casos onde não foram registrados resultados positivos, mas não vindo ao meu conhecimento nenhum negativo.

A AHT é um recurso terapêutico que consiste na retirada de sangue do antebraço e imediata aplicação no músculo. O sangue, em contato com o músculo provoca uma reação de rejeição do mesmo, estimulando o sistema retículo-endotelial. Os monócitos produzidos na medula óssea se deslocarão para os tecidos, onde são denominados macrófagos, que protegem os tecidos, mantendo-os livres de corpos estranhos.

As aplicações são realizadas habitualmente de sete em sete dias para manter a taxa de macrófagos quatro vezes mais elevada do que em condição normal.

Contra-indicações não são conhecidas por falta de pesquisa, porém é sabido que não deve ser aplicada em pacientes que esteja fazendo uso de imunossupressores.

Ressalto que é de suma importância que as pessoas estejam sempre bem alimentadas em todos os sentidos para que se estabeleça e mantenha a saúde.

Esta necessidade se torna mais importante ainda quando se pretende fazer o uso da AHT, de forma que o sistema imunológico tenha condições de, estimulado pela AHT, promover todos os benefícios possíveis.

O que tenho visto acontecer com a maioria das pessoas, pacientes e enfermos são deficiências alimentares grandes, sejam estas por falta ou uso errôneo dos alimentos propriamente ditos, por falta de líquidos, por falta de sono e por excessos não saudáveis.

Este fato e necessidades são muitas vezes negligenciadas pelas pessoas e pacientes, mas também por profissionais da saúde que deixam de alertar seus pacientes, de forma que, principalmente daí surgem as portas para os problemas de saúde e doenças, concomitantemente, dificultando a cura.

Comparativamente, é comprar uma máquina de lavar roupa ultramoderna, porém querer que ela lave as roupas com um litro de água, sem sabão, e estas saiam limpas cheirosas, secas e passadas!

Não existem milagres! A base para a saúde é a boa alimentação, correta hidratação e o necessário repouso (sono) com qualidade. Em seguida vem a atividade física, o psicológico, a higiene e evitar abusos!

Se com essas condições o corpo venha ser agredido de alguma forma, a AHT, quando viável e indicada como terapia ou coadjuvante, terá plenas condições de ajudar o paciente! Caso contrário, a AHT dificilmente poderá ajudar, passando a ser desacreditada, bem como qualquer outro tratamento, seja ele, alopático, homeopático, fitoterápico entre outros, que também terão mais dificuldade em promover a cura e facilmente surgirão repetições.

Compreendo a obstrução à AHT por parte do Conselho Federal de Medicina, Conselho Federal de Enfermagem, Conselho Federal de Farmácia, ANVISA e outros, porém é minha opinião que, da mesma forma que estas entidades são contra, deveria haver o estimulo, até governamental federal, para Universidades e Centros de Estudos em pesquisas com a AHT. Desta forma, de uma vez por todas, poderia se desmistificar as doenças e tratamentos para os quais a AHT é eficiente e quando não, tornando-a assim uma prática homologada e passível de uso com a prescrição pelos competentes.

Não acredito que haja uma pressão contrária às pesquisas sobre a AHT por parte dos laboratórios que fabricam medicamentos. Obviamente não estão interessados na homologação da AHT, pois significaria uma queda nas vendas de medicamentos, mas creio que o interesse maior no assunto seria do próprio governo, pois apesar de perder na arrecadação de impostos sobre os medicamentos que deixarão de ser vendidos, o governo economizará muito mais com a menor quantidade de remédios que terá que adquirir para o tratamento da população enferma, menor demanda de consultas médicas e internações, menor numero de pessoas afastadas e amparadas pelo INSS, entre outros.

Um aspecto de suma importância para os usuários da AHT é somente fazer as aplicações com profissionais qualificados, com material descartável e em ambiente de higiene e com prescrição.

Abaixo segue a transcrição de parte de uma entrevista concedida pelo Dr. Luiza Moura que considero ser o pai da AHT no Brasil.

O Dr. Luiz Moura trás na sua bagagem a AHT desde a sua juventude, provavelmente desde seus 18 anos, onde ainda começava seus estudos da medicina e quando seu pai o incumbia de aplicar a AHT em seus pacientes pré-cirúrgicos como verá abaixo.

Adicionei a esta transcrição resultados de outras pesquisas, entrevistas, relatos e acompanhamento a pacientes.

A Auto – Hemoterapia – AHT

Auto-hemoterapia teve início há mais de 2.500 anos na antiga China, com massagens fortes e / ou beliscos na pele, causando rupturas em pequenos vasos, estimulando as defesas, próximo do local a ser tratado.
No Brasil o pai do Dr. Luiz Moura (Dr. LM), que também era médico, utilizava esta técnica nas pessoas que iriam fazer cirurgias, a fim de ter uma recuperação mais rápida e principalmente para evitar infecções.

No link abaixo está o vídeo completo do Dr. Luiz Moura que fez parte das pesquisas para esta literatura:

http://video.google.com/videoplay?docid=-4554320633785209094&q=…
A AHT uma técnica simples que consiste na retirada de sangue da veia e a re-aplicação imediata no músculo, estimulando assim um aumento dos macrófagos, aos quais é atribuída a limpeza do organismo, combate às bactérias, vírus, células cancerosas, (neoplásicas), eliminando inclusive a fibrina (proteína envolvida na coagulação do sangue).

Os macrófagos (células de grandes dimensões que englobam e digerem elementos estranhos ao corpo, derivam dos monócitos do sangue e de células conjuntivas ou endoteliais), estão em uma taxa normal de 5% no sangue e são produzidos pela medula.

Tão logo o sangue é injetado no músculo é interpretado como um corpo estranho e passa a ser rejeitado pelo Sistema Retículo Endotelial (SRE), que elevará a produção de macrófagos para 20 a 22% oito horas após a aplicação, o que perdurará por 5 dias, fazendo no 6º. e 7º. dia  a redução até voltar no final do 7º. dia a 5%, pois terá terminada a re-absorção do sangue no músculo.

Por este motivo as aplicações são, na maior parte dos casos, recomendadas a cada 5 ou 7 dias de acordo com o tipo e a gravidade do caso, isso com um custo baixíssimo, se utilizando apenas de uma seringa, agulhas, algodão e álcool, não havendo nenhuma técnica aplicada ao sangue.
A AHT poderia ser plenamente aplicada no lugar de tratamentos caríssimos para estimulo do sistema imunológico hoje em prática pela medicina alopática.

Início da Utilização da Aplicação da AHT pelo Dr. LM

Começou quando ainda estudante de medicina em 1943, por ordem do pai, Professor na mesma faculdade onde ele estudava, bem como era chefe da enfermaria e cirurgião geral na Santa Casa, onde o pai o incumbia de, na véspera da internação para as cirurgias de seus pacientes, ir à casa destes para aplicar a AHT.

Esta aplicação era repetida após cinco dias, de forma a não permitir a queda da taxa de macrófagos abaixo dos 20%.

Este procedimento nunca gerou qualquer problema, porém levando a uma das menores taxas de infecção hospitalar até hoje vistas.
O Pai do Dr. LM decidiu implementar esta técnica em função do trabalho apresentado pelo Dr. Jésse Teixeira que visava evitar infecções pós-operatórias, e que lhe rendeu o maior prêmio da época (1940).

Esse trabalho se baseava em 150 cirurgias feitas com a aplicação da AHT e outras 150 sem a aplicação, sendo que, dentre os pacientes que receberam a AHT, o número de infecções foi de zero%. Já nos pacientes que não a receberam a AHT foi de 20%, ressaltando que o alto índice na época se devia às infecções pulmonares pós-operatórias, pois o anestésico era o éter o que irritava muito as vias aéreas.

Após ter aprendido com o pai, se limitou a usar a AHT durante muitos anos exclusivamente para evitar e tratar de infecções, bem como a acne juvenil, também uma infecção.
Só em 1976 passou a utilizar a AHT numa amplitude muito maior, graças ao médico Dr. Garófalo, que apresentava dores e dormência em uma das pernas após caminhar 100 ou 200 metros, quando então o angiologista, Dr. Antônio Vieira de Melo, recomendou que fizesse uma arteriografia, onde foi confirmado um êmbolo de 10 cm. em uma artéria da perna da qual se queixava.
O Dr. Antônio recomendou então a cirurgia para substituir a parte da artéria obstruída por uma prótese “Dralon”, procedimento ao qual o colega não quis se submeter, pois somente sanaria o problema imediato, porém não resolveria a origem, podendo então surgir com o passar dos tempos novos êmbolos em outras regiões do corpo.

Então por conta própria o Dr. Garófalo resolveu fazer a AHT. Pediu então que o DR. LM que lhe fizesse as aplicações a cada 7 dias durante 4 meses (18 aplicações), quando então o Dr. Garófalo relatou não sentir mais nada em relação ao problema, podendo caminhar quilômetros a fio sem dor.

Foi então fazer uma nova avaliação com o Dr. Antônio, que prontamente desacreditou o procedimento e resultados da AHT, porém após receber os resultados da nova arteriografia ficou convencido da cura e do valor da AHT.
Em agradecimento ao Dr. LM o Dr. Garófalo o presenteou com dois trabalhos sobre a AHT, sendo um do Dr. Jésse Teixeira e outro do Dr. Ricardo Veronesi.
Há um intervalo entre esses dois trabalhos de 36 anos, pois um é de 1940 (Teixeira) e o outro de 1976 (Veronesi), porém um complementa o outro, uma vez que o trabalho do Dr. Jésse Teixeira se limitava à ação da auto-hemoterapia em evitar infecções pós-operatórias, e o do Prof. Dr. Ricardo Veronesi, que é professor da Universidade de Santos, quando a imunologia já tinha avançado muito mais e tinha se descoberto que o Sistema Retículo Endotelial (SRE) tem muitas outras funções além a da de combater as bactérias.

Consta no trabalho do Dr. Ricardo Veronesi que as principais funções do Sistema Retículo Endotelial (SER) são:

1 – Clearance (limpeza) de partículas estranhas provenientes do sangue ou dos tecidos, inclusive células neoplásicas (cancerosas), toxinas e outras substâncias tóxicas.
2 – Clearance de esteróides e sua biotransformação. (Eliminação dos hormônios, os esteróides).

3 – Remoção de micro agregados de fibrina e prevenção de coagulação intravascular. (motivo pelo o Dr. LM usa a AHT e evita tromboses cerebrais e enfartos das coronárias, assim como removeu a fibrina que entupia a artéria femural do Dr. Garófalo.
4 – Ingestão do antígeno, seu processamento e ulterior entrega aos linfócitos B e T.(o antígeno que produz a reação alérgica (de forma que tem uma grande valia no tratamento das alergias).
5 – Biotransformação e excreção do colesterol.
6 – Metabolismo férrico e formação de bilirrubina.
7 – Metabolismo de proteínas e remoção de proteínas desnaturadas. (proteínas anormais) (hoje se sabe que a encefalite que provoca a doença da vaca louca vem de uma proteína que se chama ‘prion’ e que é desnaturada, provavelmente a AHT poderia ajudar no tratamento).

8 – Desintoxificação do metabolismo de drogas.

Respondendo por tantas e tão importantes funções, é fácil se entender o papel desempenhado pelo SRE no determinismo favorável ou desfavorável de processos mórbidos tão variados como sejam os infecciosos, neoplásicos (câncer), degenerativos e auto-imunes. O mais triste é descobrir que, o que o Dr. Jésse Teixeira descobriu em 1940, em 1976, 36 anos depois, ainda estava sendo estudado em países do primeiro mundo em ratos, e aqui não teve a divulgação que merecia, o que se confirma no seguinte trecho do trabalho dele:

Doenças Degenerativas
O Sistema Retículo Endotelial (SRE) exerce papel importante na homeostase (propriedade de um sistema aberto, dos seres vivos especialmente, de regular o seu ambiente interno para manter uma condição estável, mediante múltiplos ajustes de equilíbrio dinâmico controlados por mecanismos de regulação inter-relacionados, ou seja, para manter o seu bem estar), inclusive dos lípides (gorduras).

Desta maneira tem se demonstrado em animais que o SRE está implicado na produção e excreção do colesterol, quer endógeno como exógeno. Conclui-se daí que a hipercolesterolemia, e talvez, arteriosclerose, dependam do perfeito funcionamento do SRE, podendo ser reduzida a taxa do colesterol no sangue através da imuno-estimulação do sistema com a AHT conforme experiências realizadas em ratos na universidade do Tenessi (observe que enquanto o Dr. Jésse Teixeira em 1940 já fazia a aplicação em humanos para ativar o SRE, 36 anos depois, em 1976, estava se estudando isso em ratos nos Estado Unidos). Estamos realizando experiências em tal sentido no serviço do Prof. Luiz Widecur em São Paulo.
Dia 10/09/1976 quando o Dr. LM era chefe da clínica médica do Hospital Cardoso Fontes onde trabalhava também a Dra. Rícia Álvaro Florião, chegou e foi internada uma senhora que há 8 meses não andava. Para diagnóstico ela colheu três biopsias, que encaminhou para a anatomopatologia do hospital, que retornou com o diagnóstico: Esclerodermia fase final. Então a Dra. Rícia resolveu dar uma aula, o que ocorria normalmente às segundas-feiras e estas sobre casos não rotineiros como este a exemplo. A Esclerodermia é até então uma doença auto-imune.
Quando terminou a aula e estava terminando o prognóstico, a Dra. Rícia mandou a enfermeira levar a paciente para o quarto, quando então nos relatou que ela não tinha nada a fazer pela paciente.
Nesse momento o Dr. LM pediu à Dra. Rícia que ela passasse aos cuidados dele a paciente em questão, para que ele pudesse aplicar uma técnica, que não era corrente e chama-se Auto-hemoterapia. Ela riu e disse: “Dr. Moura, eu fui residente médica nos EUA numa clínica para onde convergiam todos os casos de esclerodermia de todo país, e a clínica não era mais nada do que um depósito de esclerodérmicos, pois não tínhamos mais nada a fazer. Então o senhor acha que pode fazer?”.
O Dr. LM foi à sua casa e pegou os dois trabalhos e leu o trecho em referência acima bem como o similar do outro trabalho, após o que a Dra. Rícia concluiu ter lógica e concordou que tentasse.

Procurando a máxima eficiência da AHT o Dr. LM colheu 20 ml de sangue e aplicou em quatro músculos, os dois deltóides e os dois glúteos, repetindo a cada 5 dias para que a contagem de macrófagos se mantivesse alta.

A melhora foi espantosa, sendo em primeira instância notada na pele (a pele do esclerodérmico fica parecendo com pelo de jacaré, dura, sem respiração e sem elasticidade de forma que habitualmente esses pacientes morrem por asfixia, pois o paciente não consegue mais dilatar o pulmão para respirar).

Após 30 dias esta paciente saiu do hospital andando!

Casos Tratados pelo Dr. LM com aplicações da AHT e seus pareceres

1 – Todas as doenças infecciosas de modo geral, inclusive preventivamente e em casos pré-cirúrgicos ou pessoas com baixa imunidade como os portadores do vírus HIV, entre outros.
2 – Todas as doenças alérgicas. Segundo o Dr. LM tem um efeito excelente na asma brônquica, nas alergias cutâneas, bem como em muitas doenças das quais ainda não se sabe a origem e causa, a exemplo a psoríase.
Um grande exemplo do tratamento da Asma com a AHT é o caso de uma menina de 10 anos que era portadora de asma grave e que vivia sendo internada para dilatação brônquica e oxigeno terapia.

O Dr. LM prescreveu a AHT, fazendo a primeira aplicação e marcando o retorno para 30 dias daquela data.

A Data chegou e nada da mãe e da criança. Quase ao final do segundo mês, a mãe reaparece muito constrangida e explicou que, sem querer deixou à vista da pediatra da menina a prescrição que o Doutor havia feito ao que ela imediatamente se mostrou contrária, dizendo que a mãe iria acabar matando a filha com a AHT. Como já se haviam passado 3 semanas da aplicação da AHT e a menina já avia melhorado (não havia precisado de internação neste período), e em sendo a pediatra dela mais que apenas a médica dela, mas também uma amiga, pois tratava dela desde os nove meses de idade, a mãe acatou a recomendação dela e não voltou ao consultório do Dr. LM.

Infelizmente, pela interrupção das aplicações da AHT, pouco depois de se completar um mês da aplicação feita pelo Dr. LM, a menina começou a piorar novamente, e aí, quem quis voltar ao consultório do Dr. LM foi própria paciente.

Voltando com a filha ao consultório do Dr. LM, a mãe contou o ocorrido e ele teve que convencê-la dos benefícios e ausência de riscos da AHT. Feito isso o Dr. LM retomou a aplicação mensal e após um ano de aplicações mensais deu alta à menina.
Para a pediatra que tentou curá-la durante 9 anos e não conseguiu, ficara a dúvida se realmente após esse período havia curado a menina, quando então a mãe resolveu contar que foi a AHT que haviam continuado a aplicar após a última piora.
3 – Nas doenças tidas como auto-imunes, que são muitas, a exemplo da Doença de Crohn, uma doença auto-imune que destrói a parte final do intestino delgado.
4 – Esclerodermias. Frisa o caso de uma paciente, funcionária da Petrobrás afastada pela esclerodermia que se curou com as aplicações da AHT, de forma que na data desta entrevista ainda se encontrava trabalhando

5 – Êmbolos / Coágulos de Sangue como anteriormente já citado um exemplo.

6 – Lúpus, ressaltando que tratou uma paciente que não tinha mais condições de dar suas aulas de dança, e após as aplicações de AHT nunca mais teve os sintomas da mesma, porém não podendo afirmar a cura.

7 – Artrite reumatóide com excelentes resultados. Ressalta o Dr. LM um dos casos, de uma funcionária da UFRJ, que acometida pela artrite há 8 anos, praticamente não andava mais, e após as aplicações da AHT voltou a toda atividade rotineira e sem dores.
8 – Miastenias, inclusive graves. Ressalta que teve em 1980 uma paciente diagnosticada com miastenia grave, época em que não existia tratamento para as miastenias, quando o Dr. LM então recomendou a AHT que ela vem fazendo desde então, não apresentando já há anos nenhum sintoma da mesma, sendo a única sobrevivente dos portadores de miastenia da época.

9 – Cistos de Ovário e Miomas. A própria filha do Dr. LM que reside na Espanha e era portadora de ovários policísticos e não podia engravidar, foi tratada com a AHT pelo Dr. Pedro, sendo que após 6 meses não havia mais cistos. Ela veio então a engravidar, posteriormente continuando com a AHT, veio a ter seu segundo filho.

10 – Púrpura Trombocitopênica – Relata o Dr. LM que teve uma paciente que apresentava sangramentos nas gengivas e ouvidos e após exame de sangue se constatou que a contagem de plaquetas estava em 10.000 (quando o normal deve estar entre 140.000 e 500.000) e se detectou a Púrpura.

Iniciaram o tratamento com cortisona (Metiocortem – 100 ml/dia, dose brutal), que conteve as hemorragias, elevando as plaquetas para 150.000, porém após 6 meses de tratamento com a cortisona, a paciente havia inchado 40 quilos e a cortisona deixou de fazer o efeito desejado, voltando a contagem de plaquetas a despencar.

Passaram então a aplicar dois medicamentos utilizados para tratamento do câncer, Enduxam e Metroxati, que conseguiram elevar as plaquetas novamente ao normal por dois meses, quando também deixaram de ser eficientes.

A solução (na época) foi encaminhar a paciente da clínica para a cirurgia para efetuar a remoção do baço, pois por um motivo ainda desconhecido, as plaquetas são mortas no baço por serem entendidas como um corpo estranho.

As plaquetas têm uma vida normal de 5 dias, sendo regeneradas constantemente pela medula, porém nestes casos as plaquetas morrem após o primeiro dia de vida, sendo a medula incapaz de gerar novas plaquetas neste ritmo.

Dessa forma a única saída para a época foi a esplenectemia, porém a paciente, uma moça de 20 anos, quis saber o seu real prognóstico de cura, pois tinha um filho de ano e meio. O cirurgião foi muito franco e lhe informou que a cura somente viria caso o fígado assumisse a função do baço, caso contrário, a qualidade de vida dela seria péssima e curta, de forma que a paciente declinou à cirurgia e voltou para casa.

Foi quando conheceu o Dr. LM que lhe prescreveu a AHT, sendo que após seis meses a paciente já estava bem, vindo futuramente a ter mais dois filhos.
11 – Gangrena por Picada de Aranha – A paciente em questão foi picada na perna por uma aranha armadeira que, apesar de pequena, é uma das mais perigosas para o ser humano, e neste caso provocou a gangrena. Como na época o Instituto Butantã não tinha antídoto para este veneno, a recomendação era amputar.

A Paciente foi encaminhada para Santa Casa para fazer a amputação, porém achando que era um tipo de curativo e não secção do membro. Ela, que já se encontrava na mesa de cirurgia quando descobriu o que vinha a ser a amputação discordou e não quis fazer o procedimento apesar da recomendação médica e da informação de que se não procedesse à amputação, acabaria morrendo. Assim assinou um termo de responsabilidade por não fazer a cirurgia e retornou para sua cidade pensando em morrer.

Foi quando conheceu o Dr. LM que lhe aplicou a AHT, porém este se lembrou de um procedimento utilizado por um médico durante a 1ª. grande guerra mundial (1914 a 1918), Dr. Píer Dulbet (?), que salvou da amputação inúmeros feridos de guerra com uma solução de cloreto de magnésio (10 mg de cloreto de magnésio PA por litro de água – Veja em minhas terapias). Ele lavava as feridas com essa solução, que também foi utilizada posteriormente em muitos pacientes com gangrena, auxiliando na cura das feridas provocadas por esta.

Com as duas terapias a paciente que deveria amputar ou morrer estava curada após três semanas.

12 – Esclerose Múltipla – Segundo o Dr. LM, presume-se ser uma doença degenerativa, provavelmente genética, e não uma doença auto-imune tradicional.
Com a AHT o Dr. LM conseguiu estacionar a doença em alguns casos e em outros apenas desacelerar o processo, mas até agora não conseguiu reverter o processo.
13 – Toxoplasmose – O Dr. LM dá o exemplo de uma paciente que já havia perdido 20% da visão em função da doença e recuperou 80%, sendo que continua até hoje com a AHT, isso por conta própria.

14 – Prevenção do Câncer – O câncer é uma mutação de células que agridem o organismo (maligno). Segundo o Dr. LM, se o sistema imunológico estiver hiper-ativado (AHT), logo que as primeiras células surgirem, serão imediatamente dizimadas já na sua fase de mutação (pré-cancerosas).

O câncer é muito mais freqüente, quando com a idade (55 anos em diante), a glândula Timo que está alojada no tórax e que comanda o sistema imunológico, começa a atrofiar. É quando então a exemplo que, com a maior frequência surge no homem o câncer de próstata e na mulher o de mamas.

Com o sistema imunológico hiper-ativo pela AHT durante os anos em que a mulher fez uso da pílula anticoncepcional, os efeitos colaterais e cânceres seriam muito menos prováveis, pois os anticoncepcionais (hormônios químicos) exigem muito do sistema imunológico.

15 – Coadjuvante no Tratamento do Câncer – As pessoas que estão fazendo a quimioterapia e radioterapia devem fazer aplicações de AHT. A quimioterapia afeta negativamente o sistema imunológico, pois atua como imunossupressor, não somente sobre as células neoplásicas (células cancerosas), mas também sobre as células boas e de defesa, então a AHT feita simultaneamente com a quimioterapia evita que o sistema imunológico baixe demasiadamente, auxiliando assim o combate a novas células pré-cancerígenas e cancerígenas, mais ainda que o organismo seja agredido por novas doenças em função da baixa imunidade, e no caso da radioterapia auxilia na regeneração dos tecidos bons afetados.

Não há nenhum tipo de câncer incompatível com a AHT. Pode e deve ser usado como coadjuvante em todos os tipos de câncer. Há a grande probabilidade de não resolver o caso isoladamente, porém com as terapias tradicionais, potencializará em muito o tratamento, tornando o câncer menos invasivo e elevando o sistema imunológico.

16 – Acne – A paciente em questão o Dr. LM conheceu em uma parada para um lanche em uma estrada. Segundo ele, fora o pior caso de acne que jamais vira. A pele da menina era violeta. A princípio pensara se tratar de uma menina humilde e sem recursos para se tratar, porém na realidade era a filha do dono do posto e não faltava dinheiro, porém os resultados obtidos com as visitas bimestrais durante dois anos ao dermatologista eram zero. Foi quando então o Dr. LM prescreveu-lhe a AHT, repetindo a cada 7 dias até a cura completa, após a qual nem vestígios ficaram.

17 – Ictiose – Este paciente apresentava a pele extremamente seca e com aparência de escamas de peixe e levou mais ou menos um ano para se curar. Ele sentia uma coceira incontrolável. O Dr. LM prescreveu a AHT, porém associada à vitamina E e reposição de minerais, que levaram à cura total.

18 – AIDS – Têm muitos pacientes aidéticos que recebem aplicações da AHT e estão se dando bem. Eles mantêm as taxas CD4 em níveis razoáveis. Agora como eles fazem uso também de outros medicamentos, não é possível atribuir os resultados só a AHT.

Há uma melhora, o paciente vive bem, sendo que ele tem pacientes há muitos anos infectados, porém levando vida normal, porém é imprescindível também fazem uso dos coquetéis junto com a AHT.

Como a AHT somente atua elevando a parte imunológica, crê que esteja ajudando de forma relevante, uma vez que a AIDS justamente bombardeia o sistema imunológico.
Confirma o Dr. LM que teve um caso de cura da AIDS. Este caso ocorreu com um dentista que se contaminou com o vírus do HIV no consultório durante o atendimento a um paciente aidético. Ele não era um paciente de risco, somente irresponsável para consigo mesmo, uma vez que não se protegia devidamente ao atender os seus pacientes.

Após a lesão, fez um exame e deu positivo. O Dr. LM recomendou que repetisse, e novamente deu positivo. Então começou a aplicar a AHT. Após o final do primeiro semestre, apesar do paciente estar bem, continuava positivo. O mesmo ocorreu ao término do segundo semestre. Porém, ao término do terceiro semestre, o paciente ligou para o Dr. LM informando que o exame dera negativo. Então o Dr. LM recomendou que ele repetisse o exame em outro laboratório, que também deu negativo. Já se passaram uns 10 anos, nunca mais deu positivo. Está negativado até hoje.
Crê o Dr. LM que ele tenha conseguido se negativar porque tinha uma saúde muito boa e a AHT foi a força a mais do sistema imunológico que derrotou o vírus HIV, porém acha importante que tenha sido detectado positivo logo no início (primeiro ou no máximo segundo mês). Já acha que a cura da maioria dos outros são doentes que já são atendidos após estarem infectados com o HIV há 3, 5, 8 ou mais anos são de cura difícil ou até impossível.

19 – Hepatite C – No caso deste paciente o Dr. LM conseguiu controlar a doença. Não teve nenhuma evolução, não vindo a atacar rins, pulmões e etc.. Ao longo dos anos o paciente vem se dando bem com a AHT, porém ele não chegou a fazer tratamentos mais modernos como Interferon Peguilado. Ele não está negativado, porém não tem sintomas e as funções hepáticas estão muito boas, sempre normais, as contagens baixas, mas os marcadores permanecerão positivos.

20 – Diabetes e suas complicações – Já falamos acima de uma das complicações do diabetes, a gangrena, porém há outro complicador que é a perda da visão, onde a AHT também pode ser de grande valia.
A perda de visão relacionada à diabetes vem em função da arterite, uma inflamação interna das artérias, leva à cegueira por falta de circulação e, por conseguinte, falta de oxigenação e obstrução dos vasos.

Com a AHT podemos proteger as células dando lhes uma maior resistência à irritação pela glicose.

De forma alguma existe comprovação que a AHT possa ajudar ou curar a diabetes, porém é certo que pode frear ou retardar os efeitos adversos e a destruição celular, pois ela não somente afeta os pequenos vasos, mas também os vasos maiores, bem como reverter eventuais êmbolos.

No caso do diabetes não é somente importante controlar a glicose, mas também são também necessários medicamentos que atuam contra os radicais livres agridem as células tais como as vitaminas A, C, E, Selênio e outros que combatam os radicais livres. Todos são importantes no combate para evitar os danos causados pelo excesso de glicose.
21 – Cicatrização de Escaras – A AHT auxilia na reconstrução dos tecidos e na cicatrização das escaras, acelerando o processo, desde que observados os procedimentos ordinários para tanto. Veja em minhas notas.

22 – HPV – O Dr. LM não tem experiência com este vírus hoje muito presente visto ele acometer, mormente o colo do útero entre outros, principalmente inerente à área ginecológica, porém crê que de um modo geral, o sistema imunológico hiper-ativo terá melhores condições de combater o vírus.

23 – Vitiligo – Já usou, porém não com resultados significativos para a cura, somente atuando como um equilibrador do sistema neurovegetativo, o que auxilia na redução das fases depressivas dos pacientes e consequentemente, diminuindo as fases ruins onde há um aumento significativo das manchas.

24 – Amigdalites de Repetição – Neste caso o Dr. LM julga ser altamente válido com resultados muito bons, principalmente nos casos de afecção por estreptococos beta hemolítico, que é a amidalite que resulta em febre reumática, e que resulta em danos no coração com atrofia da válvula mitral que depois só uma cirurgia vai corrigir.
Essa amigdalite é extremamente resistente aos antibióticos, sendo que estes antibióticos em conjunto com a AHT, tem uma capacidade muito aumentada para o combate. Segundo o Dr. LM já curou muitos casos de febre reumática com origem nesta infecção apenas com a AHT, sem deixar sequelas da mesma.

25 – AVC – No caso do AVC Isquêmico a AHT é de grande valia desde que aplicada o mais rápido possível após o AVC, pois a contagem elevada de macrófagos auxiliará na destruição da fibrina que estará obstruindo os vasos, o que ocorrerá em tempo bem menor em função da quantidade de macrófagos, podendo ocorrer em ¼ do tempo. Nesses casos o Dr. LM recomenda a aplicação da AHT com intervalos de 5 dias até a desobstrução dos vasos.

26 – Gota / Ácido Úrico Elevado – Neste caso a AHT um ótimo tratamento, pois o sistema imunológico entende que o ácido úrico é um corpo estranho, e como tal o combaterá e eliminará se estiver hiper-ativo. Caso contrário, não teria esta condição.

27 – No Esporte – Existe a declaração de Franz Beckenbauer que, quando pendurou as chuteiras, disse que atribuía o seu desempenho, resistência física e saúde à AHT, pois um dia antes de cada jogo ele fazia uma AHT de 10 ml..
Uso associado da AHT com Ascaridil

O Ascaridil foi desenvolvido a princípio apenas como vermífugo e seu componente ativo é o Cloridrato de Levamisol.

A associação do Ascaridil como modulador do sistema imunológico foi descoberta por acaso por médicos americanos, que fazendo uma campanha contra a verminose na Califórnia, verificaram que os pacientes com Leucemia tinham tido bons resultados, não só como vermífugo, mas também no tratamento da leucemia.

Resolveram então estudar o Cloridrato de Levamisol e descobriram que ele tinha um enorme potencial com modulador imunológico, sendo assim um ótimo aliado para o tratamento de uma série de doenças tais como herpes simples, herpes zoster, hanseníase, artrite reumatóide e câncer, modulando então o sistema imunológico.

Passaram então a usá-lo como coadjuvante da quimioterapia e da radioterapia, porém nesta época lançaram um medicamento com a mesma formulação do Ascaridil (o Cloridrato de Levamisol) atribuindo-lhe a finalidade de modulador do sistema imunológico e lhe deram o nome Estimamizol, que posteriormente foi retirado do mercado, porém nada mais era que o Cloridrato de Levamisol, hoje então somente encontrado com o nome de Ascaridil.

Esta criação foi mera fachada para que se os pacientes não achassem que estavam sendo tratados com um medicamento contra vermes.

Assim associamos hoje o Ascaridil à AHT para coadjuvar no tratamento de algumas doenças, principalmente auto-imunes.
A posologia para associação (neste caso, para o adulto, até 80 quilos), dar 2 comprimidos de 150 mg. por semana, durante 4 semanas. Descansar por 4 semanas, voltando por mais 4 semanas e assim por diante. Para pesos maiores ou menores deverão ser usadas as devidas proporções.

Amplitude da AHT

A amplitude é muito grande, pois ela atua sobre o sistema imunológico, de um modo geral, quadruplicando uma área do sistema imunológico, que é o Sistema Retículo-Endotelial, aumentando os macrófagos de 5% para 22%, e ele é o responsável por toda essa atividade.
A AHT, aumentando o número de macrófagos, faz com que todo o sistema de limpeza dos agressores que ocorre no organismo seja potencializado em quatro vezes, auxiliando no combate e erradicação de vírus, bactérias, células anormais, pré-cancerosas e etc., podendo inibir e evitar as conseqüências.

O Dr. LM ainda constatou que a AHT atua numa área do sistema nervoso, que é a área do sistema nervoso autônomo. Ela organiza o sistema vago simpático e com isso ela dá uma tranqüilidade maior às pessoas.

As pessoas tensas tendem a ser simpaticotônicas e isso causa contração vascular, que favorece a hipertensão. A AHT vai manter neste caso sobre controle a pressão mantendo o equilíbrio correto entre o sistema vago, que dilata os vasos, e o sistema simpático, que contraí. Não sozinha, a AHT pode auxiliar no combate a hipertensão que é uma doença que atinge bilhões de pessoas no mundo devido às tensões do stress da vida moderna, do medo e da insegurança. A hipertensão é hoje um problema de saúde pública muito grave, e a AHT, pelo menos reequilibrando o sistema neurovegetativo, já contribui para que as conseqüências da hipertensão sejam menos graves e prolongue o período de bem estar da pessoa.

A AHT é sempre benéfica?

Sempre, pois não há nada que o sistema imunológico Hiper-Ativo possa ser prejudicial, a não ser em doenças auto-imunes, quando então os diversos pontos de aplicação da AHT distrairão o sistema imunológico ou quando estiverem em uso imunossupressores.

Mulheres Grávidas ou Amamentando podem fazer uso da AHT?

Sim, não há perigo nenhum. Com a aplicação da AHT durante a gravidez a criança nascerá com um sistema imunológico potencializado, apesar de pouco operante. O leite da mãe que estiver fazendo aplicações de AHT vai conter mais anticorpos e assim a criança vai receber um reforço imunológico.
A criança nasce praticamente sem imunidade própria (sistema imunológico inoperante). A última carga imunológica que recebe vem via placenta e inunda a criança com anticorpos vindos da mãe que a protegerá durante os primeiros seis.

Após esse período, o que vamos chamar de reserva imunológica da criança, termina e aí começam as doenças infantis, quando então a criança começa a desenvolver naturalmente o sistema imunológico dela na luta contra o ambiente e agressores, quando também se iniciam os programas de vacinação, que fora promover a imunidade contra estas doenças em específico vão ser um grande exercício para o sistema imunológico.

O sistema imunológico atingirá a sua plenitude quando chegar aos 14 a 16 anos de idade, mantendo se assim até os 50 ou até 55 anos, quando então começa o seu declínio, pois o Timo, glândula alojada no peito e que comanda o sistema imunológico começa a atrofiar, sendo principalmente a partir daí muito interessante a AHT, porém a boa alimentação é imprescindível em qualquer faixa etária.
Posologia da AHT

Pode-se fazer a auto-hemoterapia durante 10, 15, 20 anos. O Dr. LM, por exemplo, é usuário ininterrupto da AHT há mais de 15 ou 20 anos. Não há nenhuma contra indicação.

Segundo o Dr. LM fez, faz e continuará fazendo a AHT, pois visa evitar doenças que poderiam se incorporar ao seu dia a dia, principalmente porque com o avanço da idade, passou pela idade dos acidentes vasculares tanto cerebrais quanto cardíacos, e agora está tomando porque também o protege do câncer, mantenho o sistema imunológico ativado, tendo sempre macrófagos prontos para devorar as doenças que vem com a idade ou até em jovens.

Não há limite de tempo de uso, pode se usar uma vida inteira.

O Dr. LM recomenda aos seus pacientes em manutenção fazerem uma série de 10 aplicações, depois descansa por 4 ou 8 aplicações e assim por diante.

Se for visando um problema ou uma doença que já esteja instalada, porém de baixa gravidade ou demanda, recomenda que se faça 10 aplicações, descansando por 4, sendo uma a cada 7 dias.

Na maior parte dos pacientes o Dr. LM começa com 10 ml na fase aguda da doença depois reduzindo 5 ml por semana, porque crê que não precisa de mais.

O intervalo entre uma aplicação e outra é de 7 dias.  Em casos raros é que o Dr. LM faz de 5 em 5 dias, e é quando quer manter nível de macrófagos no nível máximo, acima de 20% constantes, em casos muito graves.

Segundo o Dr. LM, a técnica que o Dr. Jésse Teixeira usou para comprovar a ação da AHT foi muito simples. Ele descobriu que usando uma substância cáustica que se chama “cantárida” aplicada sobre a pele da coxa provoca uma bolha. Posteriormente removeu o líquido do interior da bolha e contar o número de macrófagos, constatando existirem 5%, teste este que repetiu durante vários dias, reconfirmando os 5%. Posteriormente aplicou a AHT e começou a colher de hora em hora algumas gotas dessa bolha, constatando que a cada hora o nível de macrófagos ia subindo e ao final de 8 horas chegava aos 22%, que pode constatar permaneciam por 5 dias a este nível, posteriormente, no 6º. e 7º. dias declinando novamente, até voltar aos 5% usuais no final do 7º. dia.

Posteriormente fez este teste em coelhos, onde constatou que, a queda se dava pelo término de sangue no músculo.

As aplicações são habitualmente feitas nos músculos dos braços (deltóides) ou nas nádegas (glúteos), podendo ainda ser aplicada nos músculos das coxas.

Nos deltóides o Dr. LM recomenda aplicar apenas 5 ml. em função do tamanho do músculo. Já nos glúteos ou coxas pode-se aplicar 10 ml..

O Dr. LM gostaria e acharia interessante haver um estudo verificando se há relação entre o peso corporal do paciente e os volumes aplicados. Hoje ele utiliza o que aprendeu na prática, esperando que, com a divulgação da AHT, algum laboratório se digne a avançar nas pesquisas em tudo que se refere à AHT.

Segundo ele, tendo certeza de se tratar de uma técnica inofensiva, não há o menor risco a não ser que falte prática e higiene por parte do aplicador ou não sejam observadas as contra indicações.
Intervalos menores que 7 dias são prejudiciais?

Intervalos menores que 7 dias não são prejudiciais, porém inferiores a 5 dias são desnecessários por não trazerem benefícios, uma vez que somente após o 5º. dia se iniciará a redução dos macrófagos.

Outrossim, os intervalos de 5 dias somente são recomendados em casos muito graves.

A AHT pode ser Feita Sem Pausa?

Sim, o Dr. LM somente faz a interrupção para que os músculos e vasos dos pacientes possam descansar, de forma que, se a doença precisar do reforço imunológico constante, as aplicações poderão ser mantidas indefinidamente, desde que os vasos e músculos sejam alternados constantemente.

A Variação das dosagens de 5, 10 e 20 ml. fazem também aumentar diferenciadamente as taxas de monócitos?

Não, sempre a mesma coisa, porém aplicações de 5 ml. podem não chegar até o final do 7º. dia para algumas pessoas.

A Partir de que Idade Crianças Podem Utilizar a AHT?

Até o presente momento não há estudos a respeito, porém frisa o Dr. LM que já atendeu pacientes com 5 anos de idade e que aceitam bem o procedimento, pois entenderam o benefício, porém não vê problema algum com a idade.

A AHT na Geriatria

Para o Dr. LM é a partir dos 50 / 55 anos é que mais se deve fazer uso da AHT, pois é quando o sistema imunológico entra em declínio.
Tempos de Atividade:

Pico em 8 horas após a aplicação (macrófagos sobem de 5% para 22%)

Permanência da atividade: 5 Dias (macrófagos a 22%)

Declinação da Atividade: 6º. e 7º. dias (declínio dos macrófagos de 22% para 5%)

Ação da AHT:

Promove o aumento na produção dos macrófagos pela medula óssea porque o sangue no músculo funciona como um corpo estranho a ser rejeitado pelo Sistema Retículo Endotelial (SRE). Enquanto houver sangue no músculo o SRE estará sendo ativado, e só termina essa ativação máxima no fim de cinco dias.

A taxa normal de macrófagos no sangue é de 5% e com a AHT elevamos esta taxa para 22% durante 5 dias, sendo que no 6º e 7º dia esta começa a declinar, pois o sangue injetado no músculo está terminando, e terminando volta aos 5%. Este aumento de macrófagos resulta num estímulo imunológico poderosíssimo.
Procedimento para a AHT:

Aspiração venosa do sangue na quantidade indicada e a reaplicação imediata no ou nos músculos deltóides, glúteos ou das coxas.

Requisito Fundamental para a AHT:

É fundamental uma alimentação sadia para nutrir o organismo e, principalmente, para fortalecer e alimentar o sistema imunológico que precisa muito das proteínas, bem como das vitaminas, sais minerais, e etc.. Portanto, acima de tudo, a alimentação saudável é fundamental.

Contra-indicações:

Quando o Paciente estiver fazendo uso de imunossupressores.

A Medicina

Medicina é a arte de curar. Segundo o Dr. LM, ele tem um único compromisso para com seus pacientes: aliviar o sofrimento deles e quando possível, curar.

Por este motivo ele enfrenta as restrições do CFM, CRM, COFEEN, COREN e ANVISA e os padrões científicos. Ele não tem comprovações científicas, porém tem as comprovações pelos efeitos dos tratamentos com melhoras e curas.

Sua mente investigativa, apesar de não ter ensaios laboratoriais, procura uma resposta lógica para explicar o que ainda não foi comprovado.
Aos Médicos e Futuros Médicos

Conferir sempre, nunca aceitar nada como ‘isso é coisa do passado’, somar sempre e em lugar de substituir ou subestimar, mas sempre zelando para que não haja prejuízo para o paciente.

A exemplo da ventosa, que até há pouco não se usa mais, agora está voltando a ser aplicada, inclusive com aspiração. Foi uma grande técnica usada no século XIX quando se curava pneumonia com ela, mesmo não sabendo exatamente como ou porque curava, mas se aplicava as ventosas nos pulmões, pois não existiam outras opções como, por exemplo, os antibióticos. Só depois o Reich com a bioenergética conseguiu explicar o porquê que a ventosa curava.

A grande lição é a gente considerar como objetivo primeiro da medicina o alivio e a cura do paciente, e depois a satisfação como cientista, que queiramos ou não, todo médico deve querer ser um cientista e deve querer saber o porquê das coisas.